“Não há como deter a alvorada”

Julho 13, 2007

                      cafune1.jpg

Bem, hoje de manhã eu estava pensando sobre o que poderia escrever (ehhhh eu não escrevo qualquer abobrinha que surge na minha cabeça, eu penso! se bem que acaba sendo quase a mesma coisa….); eis q vem à minha cabeça uma música, mais especificamente o trecho de uma música, que eu ouvi a bem pouco tempo atrás, mas que ficou martelando aqui… e como eu tô em um fase de filosofar até sobre bula de remédio, comecei a procurar os significados implícitos dessa frase (nossa, tô escrevendo difícil hein?! daqui a pouco nem eu vou mais me entender…. hehehehehe). Tá, resumindo o assunto, vou fala sobre essa frase em especial: “Não há como deter a alvorada”. Segundo o meu querido Michaelis, alvorada seria: f. 1. Aurora, acep. 1. 2. Canto das aves ao amanhecer. 3. O desabrochar da vida, a juventude. Deeeer, isso eu já sabia, você pode dizer; mas não é só isso. Essa frase me fez perceber que existem certas coisas, certos acontecimentos em nossa vida, que por mais que a gente tente mudar, acabam sempre tendo uma solução na qual somos meros espectadores. É claro que você não vai fica só esperando a vida agir por ela mesma, mas chega uma hora que não importa o que a gente faça ou tente fazer, as coisas acontecem porque têm que acontecer. Pode até não ser aquilo que desejamos, mas eu acredito que a força maior que rege a nossa vida tem planos que nós demoramos a compreender (ou muitas vezes nem chegamos a entender); aquela pessoa que surge na sua vida de repente e passa a ter um significado tão grande que nem mesmo você entende porque isso acontece; ou aquele amor que parecia tão lindo, e que aos poucos vai se esvaindo; alguém que vai pra Eternidade e deixa um vazio na sua vida, uma doença, uma mudança, uma nota baixa, sei lá, qualquer coisa que fuja do nosso controle. Quando eu percebo essas coisas ao meu redor, acredito piamente que não há como deter a alvorada; o negócio é sentar num lugar bem confortável e assistir esse espetáculo, que é diferente a cada dia.Quer me fazer companhia?!

Anúncios

One Response to ““Não há como deter a alvorada””


  1. ‘adorei novo design, quanto ao ato de escrever triste, eu tmabém tenho isso, quando to alegre as coisas que escrevo não ficam tão bonitas, estranho né? deve ser por isso que o PROUST um escritor ingles escreveu certa vez: “é nas tristezas que realmente aprendemos algo, pois quando estamos felizes não queremos saber de mais nada” ou algo do tipo (traduções e memórias é um assunto delicado para colocar em citações). beijos’

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s